O conteúdo desta página requer uma versão mais nova do Adobe Flash Player.

Baixar o Adobe Flash Player

O português popular da cidade de Salvador, capital do Estado da Bahia

 

 

Com a pesquisa sobre o português popular de Salvador, encerra-se o ciclo de estudos sobre o português popular do Estado da Bahia. O estudo da realidade sociolinguística da capital do estado reveste-se de grande importância, na medida em que essa metrópole constitui um centro de difusão linguística regional, para além de seu peso demográfico atual. A população estimada da região metropolitana de Salvador atualmente supera os três milhões e seiscentos mil habitantes, correspondendo a quase um quarto da população total do Estado da Bahia, com um pouco mais de quatorze milhões de habitantes. Ou seja, de cada quatro baianos, um vive na região metropolitana da capital do Estado.

Para além de sua importância demográfica, deve-se ressaltar o peso político e cultural da capital do Estado. Um dos fatores formadores da realidade sociolinguística do país é o processo de difusão dos padrões linguísticos das grandes cidades brasileiras para as demais regiões do país. Salvador figura, assim, como um pólo de difusão linguística regional. Esse processo se dá em grande medida pela ação dos meios de comunicação de massa. Nesse sentido, as estações de rádio e TV da capital dividem a sua influência com as estações locais presentes nas cidades mais importantes do interior do Estado, como Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna, Ilhéus, etc. Por outro lado, a difusão linguística também se dá pelo deslocamento populacional, entre o interior e a capital, de indivíduos que vão buscar trabalho ou resolver problemas em Salvador e depois voltam para os seus locais de origem.

Em sentido contrário, estão os reflexos do maciço êxodo rural ocorrido desde a segunda metade do século XX, que levou para a periferia das grandes cidades uma grande massa de falantes de variedades rurais do idioma. Com isso, a diversidade diatópica que caracterizava a realidade sociolinguística brasileira até a primeira metade do século XX, com uma forte oposição entre o campo e a cidade, vai se circunscrever ao perímetro urbano das grande cidades, transformando-se em variação diastrática. Dessa forma, nos falares que se encontram hoje na base da pirâmide social de cidades como Salvador, podem-se encontrar reflexos de processos de mudança induzidos pelo contato do português com as línguas indígenas e africanas que se encontram na base da formação histórica das variedades populares da língua portuguesa no interior do país. Por outro lado, os centros urbanos desde o início da formação da sociedade brasileira, caracterizam-se como centros de reprodução e difusão dos padrões linguísticos legitimados institucionalmente pela cultura letrada.

A análise do português popular de Salvador visa a surpreender a relação dialética entre esses dois vetores contrários. Nesse sentido, o objetivo é descrever a contraparte linguística do processo de urbanização de populações originárias da zona rural. Por outro lado, Salvador foi a primeira capital do país, condição que manteve até o ano de 1763. Isso faz de Salvador um dos mais antigos núcleos urbanos do Brasil. Mas esse universo urbano não deixa de exibir uma clivagem sociolinguística secular, em cujas origens também se encontram cenários de multilinguismo e de aquisição imperfeita do português como segunda língua por grandes contingentes de falantes adultos trazidos da África como escravos. Deve-se destacar inclusive o uso intensivo de línguas francas africanas, particularmente o iorubá, nos bairros pobres de Salvador até pelo menos o final do século XIX.

Sabe-se que o tipo de trabalho desenvolvido pelos escravos urbanos e sua consequente inserção social lhes permitia um melhor acesso à língua dominante, o português. Mas estudos recentes sobre o processo de aquisição de segunda língua por trabalhadores imigrantes na Europa têm revelado que mesmo nesses contextos os aprendizes da língua dominante não têm como objetivo uma aquisição plena da língua alvo, conservando-se em estágios intermediários (interlínguas) até para demarcar sua própria identidade social. A socialização dessa interlíngua entre os segmentos dominados e sua nativização entre os afro-descendentes estão na base da formação histórica do português popular da cidade de Salvador, a capital brasileira com a maior concentração de afro-descendentes do país.

Para o enfrentamento de questões tão complexas, como essas que emergem da realidade sociolinguística da capital baiana, o Projeto Vertentes empreendeu uma ampla pesquisa de campo para constituir a maior amostra de fala vernácula de uma variedade popular urbana do português brasileiro já feita no país. Foram feitas 96 entrevistas de tipo sociolinguístico em quatro bairros da cidade e um município de sua região metropolitana.

Até o momento, portanto, as atividades desenvolvidas na 3ª Etapa de pesquisa do Projeto Vertentes se concentraram na constituição dessa amostra de fala vernácula, que constitui a base empírica para as análise que deverão compor um panorama sociolinguístico do português popular da Cidade do Salvador. Escrutinando a diversidade sócio-econômica, histórica e cultural dos bairros populares de Salvador, os pesquisadores do Projeto Vertentes reuniram um valioso material para a compreensão da realidade sociolinguística do Brasil de hoje, refletindo toda a sua diversidade e, sobretudo, suas profundas contradições, pois a constituição histórica de uma fala popular quantitativa e até qualitativamente distinta da fala culta nada mais é do que o reflexo de um processo secular de exploração e marginalização de grandes contingentes da sociedade brasileira, sobretudo daqueles que nela se integraram por meios tão aviltantes quanto o da escravização de milhões de africanos e da sujeição de centenas de milhares de índios brasileiros. Dessa forma, a difusão atual dos padrões urbanos cultos será tanto maior e mais profunda, quanto mais amplas e eficazes forem as políticas de reparação histórica e de efetiva democratização da sociedade brasileira, o que só ocorrerá quando se reverter o processo secular de concentração de renda que caracteriza as relações de produção de riqueza no país.

O Universo de Observação do Português Popular de Salvador...

A constituição da Amostra de Fala Vernácula do Português Popular de Salvador...

 

 

 

 
Apoio

Associados

Projeto PROHPOR

Projeto ALIB

Notícias

Dante Lucchesi pronuncia-se sobre a polêmica do livro didático adotado pelo MEC.

Leia aqui...

Texto sobre o Livro do MEC...

Fale Conosco

Para criticar, sugerir, consultar, envie um e-mail para vertente@ufba.br.

Expediente

O responsável por este sítio é o Coordenador do Projeto Vertentes, Dante Lucchesi, que também é o autor de todos os textos aqui publicados, exceto aqueles cuja autoria vem explicitamente indicada na página.

Administração

Copyright © 2017 Projeto Vertentes. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um Software Livre com licença GNU/GPL v2.0.